Siga nosso blog!

Segudores do Google +

Amigos do Facebook

--=

Pará Notícias

Um novo conceito

Contas de ex-prefeitos de Cachoeira do Piriá serão julgadas pela câmara



Por Paulo ZILDENE

As contas dos ex-prefeitos de Cachoeira do Piriá, Ademir Oliveira (2002) e Albenor Pontes (2005) já estão à disposição da Comissão de Orçamento e Finanças, para serem analisadas. A notícia foi divulgada, durante a sessão desta segunda-feira, 27, pelo presidente, Nilo Ferreira.

A Comissão de Orçamento e Finanças é formada pelo vereador Cordeiro, PMDB, (presidente) Toinho do Josué, PT (relator) e Adenilton, PSC (membro). O prazo regimental para elaboração do parecer da comissão é de 30 dias úteis.

Ressalta-se que o regimento interno, não fala em prorrogação de prazo, para ser analisado e como a câmara entrou de recesso, nesta segunda, devido às férias parlamentares, o prazo congela e só passa a contar no primeiro dia útil do mês de agosto.

Contas – Uma das contas mais esperadas, para ser apreciada e ver seu desfecho, é a do ex-prefeito Ademir Oliveira. Segundo relatório do TCM – Tribunal de Contas dos Municípios, toda documentação pertinente a sua administração estava nas dependências da prefeitura, que pegou fogo. Em decorrência disso, a Corte de Contas jogou a responsabilidade para o plenário da câmara decidir pela aprovação ou reprovação.

Já as contas do ex-prefeito, Albenor Pontes cabe à câmara acompanhar ou não, o parecer do TCM, que recomenda a reprovação das contas.

CGU – A Controladoria Geral da União esteve fiscalizando a aplicabilidade de verbas federais em Cachoeira do Piriá, em 2003, num montante de R$ 1.596.538,74, em 2008, R$ 14.764.028,08 e em 2010, R$ 18.180.029,42, totalizando R$ 34.540.596,24. Em todos os relatórios, foram apontadas impropriedades na aplicabilidade do erário público e desde então, vereadores, servidores públicos e a sociedade (boa parte) jamais tocaram no assunto, discutiram, denunciaram ou procuraram saber onde foi parar essa montanha de dinheiro.

Votação - Vale lembrar que o rito da votação, segundo o regimento interno da Casa de Leis, requer aprovação de 2/3 dos votos. Neste caso, (08) vereadores.

0 comentários: