Siga nosso blog!

Segudores do Google +

Amigos do Facebook

--=

Pará Notícias

Um novo conceito

TJ/PA – Antecedentes do presidente eleito


Constantino Guerreiro: perfil traçado a partir de antecedentes.

        De internauta anônimo, sobre a vida pregressa do desembargador Constantino Guerreiro, presidente eleito do TJ do Pará, o Tribunal de Justiça do Estado:

        O desembargador Constantino Guerreiro, eleito presidente do TJE, 2015/2017, é aquele que concedeu liminares para que servidores janelados do TJE não fossem dispensados, como determinou o CNJ.
        O desembargador Constantino Guerreiro, eleito presidente do TJE, 2015/2017, é aquele que rejeitou monocraticamente a apelação do MPE contra a decisão do juiz Elder Lisboa que rejeitou a ação de improbidade da juíza Rosileide Filomeno, juíza essa que foi flagrada em escuta telefônica feita pela Policia Federal, com autorização judicial, onde as conversas evidenciavam a negociação de sentenças para favorecer o filho do então governador, Almir Gabriel, para que a juíza fosse promovida ao desembargo, com apoio do Almir Gabriel.
        O desembargador Constantino Guerreiro, eleito presidente do TJE, 2015/2017, é aquele que praticou o nepotismo cruzado com o Poder Executivo, para "empregar" as filhas, Karla Karime e Kamille Kelly Vasconcelos Guerreiro, fato esse noticiado pela revista IstoÉ, em março/2011 e por este conceituado blog. A revista IstoÉ, publicou "O cúmulo do fisiologismo foi a entrega a Jatene de uma lista com a indicação de parentes de 12 desembargadores do Tribunal de Justiça do Estado, que têm o poder de decidir sobre intervenção federal e pagamento de precatórios. A farra foi tanta que a OAB do Pará vai pedir ao Conselho Nacional de Justiça abertura de investigação sobre as nomeações do TJ. ‘Trata-se de um fato gravíssimo. Uma prática generalizada de nepotismo cruzado, uma troca de favores espúria’”, afirma o presidente da OAB-PA, Jarbas Vasconcelos.". O jornal Folha de S. Paulo, também noticiou esse nepotismo cruzado do desembargador, em 2013. Na época, o desembargador disse que não havia irregularidade, porque suas filhas tinham recebido convite para trabalhar no Poder Executivo e não no Poder Judiciário, como se alguém acreditasse que as filhas do desembargador foram "convidadas", por seus méritos de competência e inteligência e sem qualquer interferência do "papai desembargador".
        O desembargador Constantino Guerreiro, eleito presidente do TJE, é aquele que, agora, em 2014, indeferiu monocraticamente (sempre monocraticamente), o mandado de segurança do Sintepp ajuizado contra o desconto dos dias parados e a contratação de professores temporários para ocuparem os lugares dos professores municipais em greve.

        O desembargador Constantino Guerreiro, eleito presidente do TJE, é aquele que abrigou em 2011, em seu gabinete, o filho do presidente do TCE, Cipriano Sabino, quando foi nomeado Cipriano Sabino Neto, para assessor do desembargador. 

0 comentários: