Siga nosso blog!

Segudores do Google +

Amigos do Facebook

--=

Pará Notícias

Um novo conceito

Pesquisa traz recomendações ao CNJ para melhoria da transparência no Judiciário


Pesquisa traz recomendações ao CNJ para melhoria da transparência no Judiciário

Foi divulgada na última quarta-feira, em Brasília/DF, pesquisa feita pela Fundação Getúlio Vargas (FGV/SP), em parceria com a organização Artigo 19 e a Universidade de São Paulo (USP), que traz algumas recomendações ao Conselho Nacional de Justiça (CNJ) para a melhoria da transparência no Poder Judiciário.

A pesquisa Estudo sobre os Desafios da Transparência no Sistema de Justiça analisou a transparência ativa e passiva no Sistema de Justiça brasileiro, bem como os mecanismos de transparência existentes. O estudo, patrocinado pelo Centro de Estudos sobre o Sistema de Justiça (Cejus) do Ministério da Justiça, foi feito a partir de entrevistas, análise bibliográfica, consultas, pesquisas documentais e estudos comparativos com os órgãos de cúpula do Poder Judiciário.

Entre as recomendações feitas ao CNJ está a edição de uma Resolução que regulamente a aplicação da Lei de Acesso à Informação (Lei n. 12.527/2011) no âmbito dos tribunais, nos moldes da Resolução n. 89 do Conselho Nacional do Ministério Público (CNMP). A pesquisa recomenda ainda que sejam realizados estudos para analisar o cumprimento da norma pelos tribunais e que sejam editadas regulamentações que contenham os direitos que se quer proteger e uma lista específica das exceções, a fim de dar segurança aos funcionários públicos envolvidos no processo de disponibilização das informações.

O estudo sugere a divulgação da declaração de renda anual de juízes, desembargadores e ministros e também das agendas cumpridas pelas autoridades judiciais. Recomenda também que o CNJ estimule o aprimoramento da gestão documental nos tribunais de forma a atender a Lei de Acesso à Informação.

Para o conselheiro Flavio Sirangelo, do CNJ, o Poder Judiciário brasileiro se modernizou e obteve grandes avanços nos últimos anos, inclusive no que diz respeito à transparência das suas ações. Seu desempenho, afirmou, pode ser avaliado por qualquer pessoa por meio dos dados do Relatório Justiça em Números, disponível na página do CNJ.

Segundo o conselheiro Sirangelo, os avanços promovidos na transparência Poder Judiciário brasileiro permitem, por exemplo, que a sociedade hoje tenha a exata dimensão das falhas da Justiça. “Devemos usar alto grau de transparência no Poder Judiciário brasileiro, até para reconhecermos que temos um ‘elefante’ na nossa sala: 92 milhões de processos judiciais tramitavam em 2012 perante os juízes e os tribunais brasileiros”, afirmou. “Esse é um benefício da transparência, porque nos faz refletir sobre as melhores formas de enfrentar essa enorme carga de trabalho e aperfeiçoar a nossa prestação jurisdicional”, concluiu.

“Algumas coisas melhoraram, mas há muita dificuldade ainda no acesso às informações. Em muitos dos tribunais, o acesso aos processos só é feito pelos operadores do Direito e com o uso de senhas”, disse a vice-procuradora Geral da República, Ela Wiecko.

O secretário-executivo da Controladoria-Geral da União, Carlos Higino Ribeiro de Alencar, defendeu a divulgação das agendas cumpridas pelas autoridades. Segundo ele, a transparência dessas informações traria mais clareza às relações pessoais mantidas pelos dirigentes públicos e a possíveis situações de lobby. O lançamento da pesquisa, na sede do Ministério da Justiça, teve a participação do secretário de Reforma do Judiciário, Flávio Crocce Caetano, do defensor Público-Geral Federal, Haman Tabosa, e da professora Maria Tereza Sadek, da USP.

Agência CNJ de Notícias

0 comentários: