Siga nosso blog!

Segudores do Google +

Amigos do Facebook

--=

Pará Notícias

Um novo conceito

Deputado das 'laqueaduras' diz, agora, que fará consulta para decidir renúncia

 
Um dia após sustentar que não pensava em renunciar ao mandato mesmo com a prisão decretada pelo STF (Supremo Tribunal Federal), o deputado Asdrúbal Bentes (PMDB-PA) mudou o discurso nesta sexta-feira (21) e disse que vai fazer consultas aos líderes da Casa e a sua família para decidir seu futuro político. 
 
O deputado Asdrubal Bentes teve a condenação mantida pelo SFT Ele afirmou à Folha que vai começar as sondagens na segunda-feira, quando retorna para Brasília. Na quinta-feira, o STF analisou recurso apresentado pelo deputado, condenado na corte em 2011, e manteve a sua sentença de 3 anos e 1 mês de prisão, em regime aberto –na prática, ele terá de ficar em casa nos fins de semana e feriados e entre as 21h e as 5h nos dias úteis. 

Segundo o Ministério Público, ele pagou laqueaduras –cirurgia para que mulheres não possam mais ter filhos– em troca de votos nas eleições municipais de 2004.

"Não quero fazer nada de forma precipitada. Vou consultar as lideranças, vou consultar o partido, vou consultar minha família para decidir o que vou fazer. Quero amadurecer todas as ideias antes de decidir", disse Bentes.

A Câmara dos Deputados ainda não foi comunicada oficialmente pelo Supremo sobre o pedido de prisão do congressista. Após receber o informe do tribunal, a cúpula da Câmara vai marcar uma reunião para decidir sobre a abertura do processo de cassação, pois a Constituição prevê a perda do mandato em caso de sentença criminal.
 
Nos bastidores, integrantes do comando da Câmara admitem que o caso provoca constrangimento ao Legislativo. Alguns parlamentares defendem que ocorra um movimento para pressionar Bentes a renunciar para evitar o desgaste de um processo de cassação e também para a imagem da instituição.

Se o processo de perda de mandato for iniciado, ele terá que ser votado pela CCJ (Comissão de Constituição e Justiça) e, se aprovado, segue para o plenário, precisando de 257 votos para a cassação. A votação é aberta.
Bentes é o sexto parlamentar sentenciado à prisão pelo STF desde a Constituição de 1988.

O presidente da Câmara, Henrique Eduardo Alves (PMDB-RN), evitou polemizar. "Parlamentar experiente, ele saberá, ouvindo seus amigos, tomar a melhor decisão. A Câmara cumprirá o seu dever regimental no trato da questão", disse.

Fonte: Folha de São Paulo

0 comentários: