Siga nosso blog!

Segudores do Google +

Amigos do Facebook

--=

Pará Notícias

Um novo conceito

Título da postagemBraçal é preso em flagrante com arma de fogo em Rurópolis

José Newton Costa flagrado com armaO braçal José Newton Ferreira da Costa, de apelidos "Lourinho" ou "Pai de Santo", está preso em Rurópolis, sudoeste do Pará, após ter sido flagrado com uma arma de fogo ilegal na feira livre da cidade. Ele foi abordado por uma guarnição da Polícia Militar, sob comando do sargento Gilson dos Santos Vidal, portando um revólver calibre 38. Natural de São Luis Gonzaga (MA) com 37 anos de idade, José Costa foi abordado enquanto estava sentado em um banco localizado em frente a um estabelecimento que comercializa caldo de cana. Os policiais militares fizeram uma revista rotineira encontrando a arma sob o banco enrolada num saco plástico. O homem estava bastante alcoolizado e negou que a arma lhe pertencesse, porém alguns populares que estavam no local afirmaram que ele estava portando a arma e a apontava para as pessoas que ali passavam.

Os policiais militares verificaram o revólver e o mesmo estava sem munição. Em audiência, presidida pelo delegado Ariosnaldo da Silva Vital Filho, José Newton afirmou não possuir residência fixa no município e que atualmente trabalha em uma fazenda na estrada vicinal do Petezinho, zona rural do município. Ainda, em depoimento, o braçal alegou que teria usado uma arma de brinquedo feito de material plástico, para assustar as pessoas. Ele alegou que teria jogado no lixo o brinquedo e reafirmou que a arma de fogo encontrada no local não lhe pertencia. O delegado lavrou flagrante por crime de porte de arma de fogo nos termos artigo 14, da Lei 10.826/2003, onde figura como vítima o Estado. As peças dos autos já foram protocoladas no fórum local para apreciação e julgamento do Poder Judiciário. (Polícia Civil)

Dupla de assaltantes de residência é flagrada em Santa Luzia do Pará

Presos em flagrante. Ao lado, apreensõesPoliciais civis prenderam em flagrante, por envolvimento no assalto a uma residência, em Santa Luzia do Pará, nordeste do Estado, Carlos Adriano Ferreira Chaves, conhecido por “Adriano Cabeludo”, e Antônio Welliton dos Santos, de apelido “Leleco”. Os dois teriam aproveitado o descuido das vítimas, que deixaram a porta da casa aberta, na madrugada do domingo passado, e invadiram o imóvel. Com uso de uma escopeta calibre 32, os assaltantes renderam o dono da residência e os dois irmãos dele que também dormiam no local. A dupla roubou um aparelho DVD, um computador portátil tipo notebook, três telefones celulares e uma motocicleta.

Após a fuga dos bandidos, as vítimas procuraram de imediato a Delegacia da Polícia Civil, onde comunicaram os policiais civis Carlos Corrêa Lima, Alex Mota e Edney Corrêa, de plantão. A equipe, sob o comando do delegado Roberto Salbé Travassos, passou a realizar buscas na cidade. Com apoio de informações prestadas pela comunidade, os policiais conseguiram localizar a casa de um dos envolvidos no roubo, Antônio Welliton. Ele foi surpreendido pelos policiais civis em sua residência. Na casa foram recuperarados o aparelho DVD e um dos telefones celulares da vítima. Os objetos foram prontamente reconhecidos pela vítima, o dono da casa. Ao ser interrogado, “Leleco” confessou o envolvimento no crime e identificou o comparsa. Os policiais civis foram à casa de Carlos Adriano, onde, durante revista, encontraram a arma de fogo usada no assalto.

Ao ser abordado, “Adriano Cabeludo” dormia em casa em uma rede junto com o notebook da vítima dentro da própria camisa. Foram encontrados também com Adriano mais dois telefones celulares roubados. Os investigadores Carlos Corrêa Lima e Alex Mota conduziram os dois acusados para a Delegacia. Os objetos roubados foram entregues para as vítimas. Apenas a motocicleta não foi recuperada até o momento, pois os assaltantes relataram que a abandonaram em um ramal por causa de uma pane. O delegado Roberto Salbé Travassos informou ainda que já havia, anteriormente, representado à Justiça com pedido de prisão de Carlos Adriano, cuja ordem de prisão já foi expedida pela Comarca de Santa Luzia do Pará, há dois anos, por envolvimento do acusado em um homicídio, em setembro de 2011. (Polícia Civil)

Santarém: Justiça condena autor de abuso sexual

De acordo com dados divulgados pelo Ministério da Saúde, a violência sexual contra crianças e adolescentes no Brasil ocupou o segundo lugar em número de ocorrências nas faixas etárias de 0 a 9 anos, e de 10 a 14 anos, no ano de 2011. Perde somente para os casos de negligência e abandono. Em Santarém, a justiça condenou um autor de abuso sexual contra uma menina de 13 anos, com base em denúncia do Ministério Público.

No Pará, o programa ProPaz, do governo do Estado, registrou de janeiro a junho de 2012, 1.128 denúncias, o dobro dos 558 registros do mesmo período em 2011. De acordo com dados do Propaz, nos casos registrados no primeiro semestre de 2012, 80,5% das vítimas são meninas. Foram 378 casos de violência contra vítimas de 11 a 14 anos e outros 575 casos de abuso contra crianças de zero a 11 anos.

Em razão do elevado número de casos de violência sexual praticado contra crianças e adolescentes na comarca de Santarém, o MP tem trabalhado para fortalecer o serviço de denúncia nacional Disque 100, em conjunto com a Semtras, Conselho Tutelar e Policia Civil. Além disso, tem solicitado às varas criminais a observância do Provimento 001/2010, da Corregedoria de Justiça das Comarcas do Interior, que dispõe sobre a prioridade na tramitação de processo criminal envolvendo vítimas crianças e adolescentes.

Um dos autores denunciados pelo Ministério Público de Santarém por abuso sexual de uma menina de 13 anos, foi condenado a cinco anos e quatro meses de reclusão em regime semi-aberto pelo juízo da 4ª Vara Criminal. Trata-se de um caso típico nesse tipo de ocorrência, no qual o autor, na época com 26 anos, se valeu da inexperiência da menor para cometer o abuso.

Os registros indicam que grande parte dos agressores são pais e outros familiares, ou alguém do convívio muito próximo, como amigos e vizinhos. No caso ocorrido em Santarém a vítima tinha 13 anos. Conhecia o denunciado, com o qual marcou encontro na saída da escola. Alegando que precisava de um remédio, levou a menor para a casa dele. Lá, dentro do quarto do denunciado, embora a menina tenha pedido que parasse, não foi atendida. Só parou diante dos protestos da vítima, que chegou a morder seu ombro.

A vitima ficou muito abalada com o fato, embora tenha aceitado sair com o denunciado alegando que a maioria de suas amigas saiam com rapazes e não eram mais virgens, o que para ela era sinônimo de “ser legal”. O juízo considerou que o acusado corrompeu a ingenuidade da menor, uma vez que era amigo da família e se aproveitou da inexperiência dela para forçar a relação sexual.

A sentença ressalta que o crime de estupro de vulnerável configura-se com a prática de conjunção carnal ou outro ato libidinoso com menor de 14 anos, independente do consentimento ou virgindade da ofendida, ou existência de violência de fato, presumida ou grave ameaça.

A intenção do legislador é garantir a proteção para pessoas menores de 14 anos, que em decorrência da reduzida idade não possuem capacidade para consentir a prática de atos sexuais. No caso em questão, tal fato ficou evidenciado: a imaturidade e inexperiência sexual da vítima.

O juiz estabeleceu pena de oito anos de reclusão. Foi aplicada a diminuição de 1/3 por ter sido o crime tentado, que se aproximou da consumação, fixando a pena em cinco anos e quatro meses de reclusão em regime semi-aberto.
(MPF)

Lambedor de sapato

Chael Sonnen pode ser falastrão, mas é um homem de palavra. Confiante na vitória de Dan Henderson, o técnico do TUF 17 havia prometido que, caso o parceiro de equipe perdesse no UFC 157, lamberia ao vivo no 'UFC Tonight' o sapato de Rashad Evans, que divide com ele a bancada de comentaristas do programa.
 
Como Henderson acabou perdendo por decisão dividida para o brasileiro Lyoto Machida, Sonnen teve que cumprir a promessa e protagonizou uma cena cômica. (O Globo)

Sexo, dinheiro e poder podem ter influenciado na renúncia do Papa

Segundo 'La Repubblica', papa teria decidido deixar o cargo no dia em que recebeu o dossiê
 
O conteúdo do relatório sobre o escândalo conhecido como Vatileaks, entregue ao Papa Bento XVI em dezembro passado, teria sido devastador, a ponto de levar à renúncia do Pontífice, segundo o “La Repubblica”. De acordo com o jornal italiano, ao abandonar o cargo, o Papa pretendia possibilitar a entrada de um líder mais jovem e forte para fazer uma limpeza no Vaticano.

O dossiê de 300 páginas, contendo a investigação completa sobre o vazamento de documentos secretos da Santa Sé, revelaria disputas de poder, relações homossexuais e mau uso de dinheiro.

“La Repubblica” afirma que Bento XVI teria decidido neste dia que deveria se demitir. “O dossiê será entregue ao próximo Papa, que deverá ser mais forte, jovem e santo para poder enfrentar o trabalho que espera”, diz o jornal.

- Tudo gira em torno da observação do sexto e sétimo mandamento - afirmou o jornal, citando uma pessoa muito próxima a um dos autores do relatório. “Não pecar contra a castidade", proclama o sexto mandamento, "Não furtar, não roubar e não levantar falso testemunho", diz o sétimo.

O jornal lembra que já em 2010 teria vindo à tona um escândalo que mostrou a existência de seminaristas que se prostituíam, de um membro do coro do Vaticano que atuava como cafetão. A história tinha como protagonista Angelo Balducci, o presidente do Conselho Nacional Italiano de Obras Públicas, que teve seu telefone interceptado por suspeita de corrupção.

Durante a investigação, foi descoberto que Balducci conversava com frequência com um membro do coro da Reverenda Capela Musical da Sacrosanta Basílica Papal de São Pedro no Vaticano -um nigeriano chamado Chinedu Thiomas Eheim - que oferecia serviços sexuais com jovens.

“Só te falo que tem dois metros de altura, pesa 97 quilos, tem 33 anos e é completamente ativo”, disse o membro do coro vaticano a Balducci em uma das conversas interceptadas.

Os encontros sexuais, segundo assegura “La Repubblica” citando a investigação judicial, aconteceram em uma vila fora de Roma, em uma sauna, em um centro estético, no próprio Vaticano e em uma residência universitária que seria a casa de Marco Simeon em Roma, um jovem de 33 anos que acumulou um enorme poder à sombra da cúpula de São Pedro.

O jornal “La Repubblica” fala da possível existência de um “lobby gay” dentro do Vaticano, “uma rede transversal unida pela orientação sexual”. Segundo a publicação, pela primeira vez a palavra homossexualidade foi pronunciada, lida em voz alta no apartamento do Papa. E pela primeira vez se falou, ainda que em latim, da palavra “influentiam” (chantagem), lembra a reportagem, fazendo referência às conclusões finais do documento exposto ao Papa.

Fonte: O Globo

Grupo de trabalho investigará ameaças a jornalistas

As ameaças aos jornalistas Mauri König e André Caramante foram debatidas hoje (19) durante a primeira reunião do Grupo de Trabalho (GT) sobre Direitos Humanos dos Profissionais de Jornalismo. Recentemente, os jornalistas foram obrigados a deixar o país devido a ameaças sofridas no exercício da atividade profissional.

Criado no final de 2012, o grupo de trabalho tem por objetivo analisar denúncias de violência e ameaças sofridas por profissionais de comunicação. Ele é vinculado ao Conselho de Defesa dos Direitos da Pessoa Humana (CDDPH).  Inicialmente o GT deve acompanhar perto de 50 casos envolvendo ameaças e assassinatos de jornalistas no Brasil.

Caramante e König falaram sobre as ameaças sofridas por eles e defenderam a necessidade de federalização dos crimes cometidos contra jornalistas. Eles argumentaram que a investigação dos crimes geralmente sofre interferência, em razão de interesses locais que inviabilizam a prisão dos responsáveis, por isto a necessidade de que as investigações ocorram em nível federal. Políticos e agentes de segurança pública foram citados como responsáveis por interferir nas investigações.

“Existem pressões do poder local que dificultam as investigações. Muitos casos acabam caindo na impunidade e é essa sensação de impunidade que faz com que os agressores sejam reincidentes. Em boa parte dos casos, os agentes públicos ou pessoas a mando desses agentes são quem promovem as ameaças e violências contra os jornalistas. No meu caso e do Caramante foram os agentes de segurança”, disse König.

Depois de publicar reportagens sobre corrupção na Polícia Civil do estado do Paraná, König, que trabalha no jornal paranaense Gazeta do Povo, passou a receber ameaças de morte. Por medida de segurança, ele e a família estão em local desconhecido.

Caramante, que é repórter do jornal Folha de S.Paulo, escreveu reportagens sobre a atuação do coronel reformado da Polícia Militar (PM) Paulo Telhada. Eleito vereador em São Paulo em 2012, Telhada é ex-comandante da Rota, grupo de elite da PM paulista. Depois da publicação das reportagens, Caramante começou a receber ameaças de morte, que incluíam também seus parentes.

Para proteger a família, o repórter teve que deixar o país. “Para mim foi muito doloroso ser mandado para fora do meu estado. Sempre trabalhei nessa área fiscalizando o braço armado do Estado,” disse Caramante.

Durante a reunião, a ministra da Secretaria de Direitos Humanos da Presidência da República (SDH), Maria do Rosário, disse que o GT vai acompanhar com especial atenção as ameaças sofridas pelos jornalistas. A ministra defendeu que, nos casos em que agentes do Estado estejam envolvidos, eles devem ser afastados de suas funções e responsabilizados.

“O que a gente faz é enfrentar lógicas de violação de direitos humanos que muitas vezes têm o Estado como agente violador”, disse.  Maria do Rosário também disse que os veículos de comunicação também devem estar presentes na apuração dos casos e na proteção aos jornalistas.

O caso do assassinato do jornalista Décio Sá também foi debatido durante a reunião do GT. Assassinado em abril de 2012, o jornalista maranhense mantinha um blog no qual veiculava denúncias contra políticos e grupos de pistoleiros que agem no Maranhão. A principal testemunha do caso morreu na última quarta-feira (14), após ter sofrido uma emboscada na qual levou sete tiros no início de janeiro.

Levantamento divulgado no dia 30 de janeiro mostra que o Brasil perdeu nove posições no ranking mundial de liberdade de imprensa. O ranking, elaborado pela organização não governamental Repórteres sem Fronteiras, leva em consideração elementos que vão desde a violência contra jornalistas até a legislação do setor.

Fonte: AGBR

CPI do Tráfico de Pessoas vai à região de Belo Monte apurar exploração sexual de mulheres

A Comissão Parlamentar de Inquérito (CPI) do Tráfico de Pessoas, instalada na Câmara dos Deputados, aprovou nesta terça-feira (19) a convocação de Adriano Cassan e Carlos Fabrício Pinheiro, que foram presos em Altamira (PA) durante operação policial que libertou 14 mulheres, uma travesti e uma menor de idade mantidas em cárcere privado em prostíbulo local. A comissão  deve ir à região na próxima segunda-feira (25) verificar a situação.

Altamira é a cidade mais afetada pelo crescimento desordenado provocado pelas obras da Usina Hidrelétrica de Belo Monte. O presidente da comissão, deputado Arnaldo Jordy (PPS-PA), disse que o governo federal foi alertado diversas vezes sobre os efeitos colaterais do intenso fluxo migratório para aquela região, em razão da construção da usina, e não tomou providências.

Segundo a CPI, Adriano era gerente e Carlos garçom da Boate Xingu, um dos locais de exploração sexual e cárcere privado. Os dois estão presos em Belém, desde a semana passada, quando ocorreu a operação, sob acusação de integrar uma rede de tráfico de pessoas para a prostituição nas proximidades das obras de Belo Monte.

Mais cinco requerimentos também foram aprovados na reunião de hoje, mas não tiveram a data do depoimento definida. Um dos requerimentos aprovados convoca o suposto empresário e olheiro de futebol Reginaldo Pinheiro dos Anjos, conhecido como Doutor. Com promessa dos jovens integrarem a Associação Desportiva Confiança, time de Aracaju, ele recrutou  adolescentes de São Paulo, Santa Catarina, Bahia e Goiás. Um dos meninos teria sido vítima de abuso sexual.

Atenção motorista!

Os radares na BR 316 (nos dois sentidos) que foram colocados pelo DNIT, em Ananindeua, até o posto da Polícia Rodoviária Federal, em Benevides, já estão funcionando desde hoje (01/02). Os demais radares serão ligados pelo DNIT até o final desta quinzena.

Com a inauguração da fábrica de multas do governo federal, o engarrafamento na Av. Almirante Barroso iniciou, segundo um agente da CTBEL, na Angustura, próximo do Bosque Rodrigues Alves.

A velocidade neste perímetro é de 40km.