Siga nosso blog!

Segudores do Google +

Amigos do Facebook

--=

Pará Notícias

Um novo conceito

Primavera: Advogado pede a inelegibilidade de Cleuma Oliveira e de candidato a vice

O advogado Fábio Sabino Rodrigues, da Coligação "Unidos Para Mudar I", protocolou na sexta-feira, 28, duas ações de investigação judicial eleitoral pedindo a cassação do registro da prefeita do município de Primavera, Cleuma Maria Bezerra de Oliveira, candidata à reeleição, e de seu candidato a vice, Waldenor Reis da Silva, pela prática de abuso de poder político e econômico durante a campanha eleitoral. Em uma das ações, a prefeita é acusada de transportar, em um veículo de sua coligação, cestas básicas para distribuição nos bairros da cidade.

Segundo Fábio, Cleuma também estaria se utilizando de viatura da PM e de policiais militares para dar segurança e acompanhar o transporte das cestas básicas. Na ação, a coligação anexou imagens de vídeo mostrando um veículo Ford Ranger, da Polícia Militar, de placas OFJ-4147, acompanhando e fazendo a segurança de pessoas que estavam em um carro adesivado da coligação da prefeita, que visitavam residências de eleitores. "Ambas as condutas, demonstrando compra de votos e utilização de bens e servidores públicos são reprováveis e merecem a imediata repressão judicial, por representarem abuso de poder econômico e político, uma vez que desnivelam, por completo, a disputa eleitoral", disse Fábio.

Na segunda ação, a coligação "Unidos Para Mudar I" afirmou que a candidata à reeleição, por intermédios de correligionários, fizeram uma doação em meados de agosto, de um botijão de gás à eleitora Edna Maria Sousa dos Anjos, sendo que em troca a mesma teria que permitir a colocação de bandeiras de propaganda eleitoral dos investigados em sua residência. "Conforme relato da referida testemunha, os investigados exploraram a carência da eleitora para obrigá-la a afixar bandeiras de suas candidaturas, oferecendo vantagem econômica para a mesma", diz o texto da ação, destacando que o objetivo da distribuição de gás de cozinha ou outros bens não se resume à divulgação da candidatura da prefeita e de seu vice, fator que já configura abuso de poder econômico, mas sim na captação de votos dos eleitores de Primavera. "A própria prefeita, além de doar o botijão de gás, telefonou para a eleitora e a intimidou, ordenando que a mesma colocasse a bandeira da candidata na frente de sua residência", denunciou Fábio.

Ao protocolar as ações na 63ª Zona Eleitoral, a coligação "Unidos Para Mudar I" pede a declaração da inelegibilidade de Cleuma e Waldenor, que seja aplicada multa de R$ 106.410,00 à gestora municipal e a averiguação por parte do Ministério Público Eleitoral acerca de eventual prática de crime eleitoral.

Fonte: O Liberal Online

0 comentários: