Siga nosso blog!

Segudores do Google +

Amigos do Facebook

--=

Pará Notícias

Um novo conceito

Por trás das cortinas de zinco – Réquiem para os quatro benjaminzeiros da Praça Magalhães Barata

A atual administração pública de Capanema parece ser adepta das divisas “Progresso a qualquer custo” e “Quem gosta de passado é Museu”. Há semanas um muro de placas de zinco foi erguido em torno da Praça Magalhães Barata, para “reformá-la”, deixá-la mais “bonita” e “apresentá-la nova”, talvez, quem sabe, no intuito de influenciar o eleitor que se desloca em direção à Escola Maria Amélia de Vasconcelos, uma das zonas eleitorais da cidade. Vítimas desse remodelamento da praça foram  os benjaminzeiros, não pessoas, mas umas árvores centenárias cujo único crime foi terem sido plantadas no local das reformas. Ao estilo de um pro custo moderno, a administração literalmente acabou com os mesmos por não se adequarem às medidas necessárias.

Testemunhas silenciosas da vida da cidade, as árvores viram a história passar por elas, ascensão e queda de reis e presidentes, início e fim de regimes políticos, paixões iniciadas e findadas, prefeitos, decepções e tristezas passarem ante suas raízes. Por décadas elas viram a tudo intocadas e estáticas em seu lugar até o momento, serem passivas e pacíficas, parece não ser o suficiente para os que agora governam, é preciso apagar todo resquício do passado, afinal, além de capanemenses somos brasileiros, e temos que preservar nossa tradição de povo de memória curta.

Bem, mas é preciso lembrar que nem todos nós temos um passado do qual nos orgulharíamos de lembrar, nem todos desejam recordar o que fizeram para chegar onde se encontram, alguns não gostam que as pessoas se lembrem das suas origens, preferem ser enxergados como um eterno presente sem passado ou escrito em suas origens pelos seus pagos historiadores tipo...versão do vencedor! Somente isso poderia justificar o desprezo ou temor pelo passado, apenas os que tem um ontem comprometedor se incomodam com o lembrar das pessoas, sendo que aqueles benjamins seriam uma simbólica queima de arquivo que apagassem tudo dando origem a uma nova cidade, surgida do nada e garantindo as coisas ficarem do jeito que se encontram num maravilhoso processo de levar as pessoas a cometer os mesmos erros que já foram cometidos.

Autor desconhecido

2 comentários:

não por acaso dispersos disse...

o velho rebocador


a cidade suja & ensurdecedora
lança seus despojos na baia
atracados & tristes ao longo do porto
benjaminzeiros resistem

você segue sereno [sinuoso [sagaz
nessas águas lamacentas

arrastai arrastai oh rebocador
esses olhares imóveis para o horizonte

trazei o braço mar nas suas margens
fazei avançar as marés
crepitar o forte dos cais e suas escadarias
naufragar as embarcações de outubro
transbordar canais inundar subúrbios

arrastai praças & prédios
arrastai toda a cidade para o fundo

submersa para estadia de novos corais

benoni araujo
8748-2639

www.benoniaraujo.blogspot.com

não por acaso dispersos disse...

o velho rebocador


a cidade suja & ensurdecedora
lança seus despojos na baia
atracados & tristes ao longo do porto
benjaminzeiros resistem

você segue sereno [sinuoso [sagaz
nessas águas lamacentas

arrastai arrastai oh rebocador
esses olhares imóveis para o horizonte

trazei o braço mar nas suas margens
fazei avançar as marés
crepitar o forte dos cais e suas escadarias
naufragar as embarcações de outubro
transbordar canais inundar subúrbios

arrastai praças & prédios
arrastai toda a cidade para o fundo

submersa para estadia de novos corais

benoni araujo
8748-2639

www.benoniaraujo.blogspot.com