Siga nosso blog!

Segudores do Google +

Amigos do Facebook

--=

Pará Notícias

Um novo conceito

Lula pede voto em Dilma e Ana Júlia como presente de aniversário

No comício que reuniu milhares de pessoas na Arterial 18, em Ananindeua, na noite desta quinta-feira, 14, o presidente Luiz Inácio Lula da Silva pediu, como presente de aniversário (ele completa 65 anos dia 27) que os paraenses e brasileiros reelejam Ana Júlia Carepa (PT) governadora do Pará e escolham Dilma Rousseff (PT) para presidente do Brasil. “O povo sabe que melhorou com a casinha, luz, emprego, salário. Se eu pudesse pedir uma coisa em nome de tudo o que construímos juntos nesses 30 anos, me dêem de presente Ana Júlia governadora e Dilma presidente da República, para que este país continue melhorando e ajudando a população”, disse Lula diante de um público que gritava, emocionado, o nome do presidente e das candidatas.

O presidente e as candidatas saudaram a população de cada um dos municípios paraenses que tiveram o comício transmitido ao vivo: Paragominas, Tucuruí, Santarém, Altamira, Rondon do Pará, Itaituba e Bragança. Dilma apontou diferenças na maneira de governar do PSDB e do PT, que defendem projetos políticos opostos. Ana lembrou que um exemplo dessa diferença no Pará é a Granja do Icuí, um imóvel enorme que já serviu de residência oficial do governante do Estado, em Ananindeua, e hoje está sendo destinado por Ana Júlia para a construção de 1.200 casas populares, pelo programa ‘Minha Casa, Minha Vida’, e um campus da Universidade do Estado (UEPA). “A casa da governadora vai virar residência para o povo e universidade para a juventude”, destacou Ana Júlia.

Dilma afirmou que ela e Ana Júlia representam o mesmo projeto que é “focado nas pessoas”, pois realiza muitas obras que estão “melhorando concretamente a vida das pessoas”, como os programas Luz para Todos e PAC. Ela também ressaltou que Ana Júlia, no Pará, fez junto com o presidente Lula o processo de transformação que levou a criação de 14 milhões de empregos com carteiras assinadas no Brasil (somente no Pará, foram criados quase 40 mil empregos nos últimos 12 meses, um recorde no Estado) e, ainda, levou o país a ser respeitado no cenário internacional e a deixar de ser dependente do Fundo Monetário Internacional (FMI).

Abraçado ao músico Chimbinha, da banda Calypso, Lula lembrou que Ana Júlia encontrou o Estado “quebrado”, com a segurança abandonada e sem perspectiva de desenvolvimento. “Essa mulher (Ana Júlia) trabalhou. Eu e a Dilma somos prova de que ela trabalhou. Aos poucos ela (Ana) foi consertando o Estado e dando futuro ao Pará”, disse o presidente, citando as obras históricas que Ana conseguiu trazer ao Pará, como o porto de Marabá, a Universidade Federal do Oeste do Pará e a siderúrgica Alpa, entre outros.

"Não dá para trazer de volta quem a gente botou para fora" Lula criticou os ataques contra Ana Júlia por adversários que representam a elite que sempre governou em causa própria. “No dia 31 de outubro vamos decidir se daremos um passo para trás ou um passo para frente no desenvolvimento desse país”, observou.

Ele também disse que, certamente, Ana Júlia não conseguiu fazer em quatro anos tudo o que deixou de ser feito em 500 anos de governo das elites.

“Temos um compromisso ético e moral, precisamos trabalhar mais do que trabalhamos até agora para convencer cada companheiro e companheira do Pará, porque se tiver alguém no estado melhor do que ela, vamos eleger, mas não trazer de volta quem a gente botou para fora porque não concordava com o governo dele”, destacou Lula. "Não somos governo de poucos para poucos"

“Estou muito feliz de estar aqui nessa festa popular com a minha querida Ana Júlia, próxima governadora eleita do Pará e com seu vice, Anivaldo (Vale)”, declarou a presidenciável, que veio pela primeira vez ao Pará, durante a campanha eleitoral. Dilma destacou que dará continuidade ao governo Lula, o mesmo que tirou 28 milhões de brasileiros da pobreza, o equivalente a dois Chiles e meio, conforme ela comparou, e que também incluiu 36 milhões de pessoas na classe média, pois passaram a ter poder aquisitivo para ter carro, geladeira, fogão e, sobretudo, comida.

“Nós não somos aquele governo de poucos e para poucos. Achamos que um governo só é digno quando governa para os 190 milhões de brasileiros. Todo mundo lembra como o Brasil era, quando as pessoas não tinham emprego, mas o povo brasileiro mostrou que se tiver uma oportunidade agarra com as duas mãos e transforma a sua vida. Eu tenho uma missão, que é continuar esse governo a partir daqui e continuar fazendo ainda mais”, disse Dilma.

Dilma assume compromisso com o Pará


Dilma assumiu o compromisso de continuar levando escolas técnicas e universidades para o interior do Pará, melhorando a qualidade da educação com melhores salários e formação superior aos professores. Ela frisou que vai construir 6 mil creches, implantar a Rede Cegonha de atendimento das mães e bebês, desde a gestação, melhoria da segurança pública e erradicação da pobreza. “Podemos tirar os 21 milhões de brasileiras que ainda estão na miséria”, afirmou. “Eu tenho um legado, que é o de honrar as mulheres e de suceder o maior presidente que este país teve. Eu trabalhei com ele, aprendi a governar o Brasil com ele e tenho o mesmo compromisso dele com o país”, observou. “Tenho certeza com a força de vocês e se Deus quiser, no dia 31 chegaremos à vitória”, conclamou Dilma.


Foto: Renato Testa

0 comentários: