Siga nosso blog!

Segudores do Google +

Amigos do Facebook

--=

Pará Notícias

Um novo conceito

Local do julgamento de acusado de matar Dorothy Stang deve ser decidido hoje

A sessão de hoje (8) das Câmaras Criminais Reunidas do Tribunal de Justiça do Pará (TJPA) deve analisar o pedido de mudança de local do julgamento do fazendeiro Regivaldo Pereira Galvão, conhecido como Taradão. Ele é acusado de ser um dos mandantes do assassinato da missionária norte-americana Dorothy Stang, em fevereiro de 2005, no município de Anapu, sudeste do Pará.

De acordo com o TJPA, o juiz da comarca de Pacajá, responsável pelo município de Anapu, pediu que o julgamento do fazendeiro fosse transferido para Belém.

Galvão é o único dos quatro dos envolvidos na morte de Dorothy que ainda não foi a julgamento, passados cinco anos do crime. Segundo o TJPA, após a conclusão da instrução processual que apurou a morte da missionária, ele foi apontado como um dos mandantes do crime.

No entanto, a defesa recorreu da sentença em tribunais superiores. Com a rejeição dos recursos, o fazendeiro conseguiu no Tribunal Regional Federal da 1ª Região, de Brasília, o direito de aguardar em liberdade a data do julgamento.

Dorothy Stang foi assassinada com seis tiros em 12 de fevereiro de 2005, no município de Anapu, sudeste do Pará. A missionária trabalhava com pequenos agricultores pelo direito à terra e contra a exploração por grandes fazendeiros da região.

No último sábado (6), outro acusado de mandar matar a religiosa, Vitalmiro Bastos de Moura, o Bida, se entregou à Polícia Civil do Pará. Na quinta-feira (4), o Superior Tribunal de Justiça (STJ) negou habeas corpus impetrado pela defesa do acusado.

Considerado intermediário do crime, Amair Feijoli da Cunha cumpre pena de 18 anos de prisão. Clodoaldo Carlos Batista, o Eduardo, pistoleiro que acompanhou Rayfran das Neves no crime, cumpre pena de 17 anos de prisão. Neves abriu mão do último júri, no ano passado, e ficou com a pena do primeiro julgamento, realizado em dezembro de 2005, de 27 anos de prisão em regime fechado.


Fonte: AGBR
Autor: AGBR

0 comentários: